Aprendizagem Baseada em Projetos (ABP)

O desafio dessa postagem é sugerir uma proposta para praticar a Aprendizagem Baseada em Projetos (ABP). 
Mas, o que é ABP?
É uma metodologia de aprendizagem em que os alunos se envolvem com tarefas e desafios para desenvolver um projeto ou um produto. A ABP integra diferentes conhecimentos e estimula o desenvolvimento de competências, como trabalho em equipe, protagonismo e pensamento crítico. Tudo começa com um problema ou questão que seja desafiadora, que não tenha resposta fácil e que estimule a imaginação. O método faz com que o aluno tenha um papel ativo para o seu aprendizado.
Fonte: Porvir 





infográfico da Geekie traz informações bem interessantes também!

Para essa proposta de ABP, foi considerado que:
➮ As disciplinas que podem ser envolvidas para um trabalho integrado são: Ciências, Matemática, Língua Portuguesa, Geografia;
➮ Os Temas transversais que podem ser trabalhados seriam: Meio Ambiente e Saúde, Trabalho e Consumo, Ética; e
➮ O público-alvo: estudantes de 8º e/ou 9º anos do EF.

Após pesquisas, pode-se dizer que o desenvolvimento de uma proposta de ABP deve considerar as seguintes etapas:

1 – Apresentar o tema
Escolha um tema que seja próximo da realidade de seus alunos e que tenha relação com os conteúdos a serem explicados ou os objetivos a serem alcançados ao longo do curso.

Conteúdo relevante: o objetivo da abordagem é trabalhar os conceitos-chave das disciplinas acadêmicas a partir de um projeto.

Tema: Alimentação e sustentabilidade


2 - Apresentar uma questão norteadora
Os alunos começarão a gerar ideias e expor seu conhecimento sobre ela essa pergunta, que deve ser aberta, provocativa, desafiadora e correspondente ao âmago da disciplina.
Assim, começarão a identificar o que precisam para encontrar a resposta e definir a estrutura do projeto. Aqui o foco está em estimular o aprendizado mais aprofundado, debates, desafios e problemas.
O papel dos professores na ABP é guiar e orientar, dando o controle do projeto aos alunos e permitindo um alto nível de autonomia.

Questão norteadora: De que forma a nossa alimentação impacta no meio ambiente? Qual é a relação entre uma alimentação saudável e a sustentabilidade?


3 – Organizar as equipes
Crie grupos equilibrados de 3 ou 4 alunos, onde cada um desenvolverá um papel em particular. O objetivo é que, com essa divisão, tenham uma maior autonomia no trabalho e gerem diálogo.


Habilidades para o séc. 21: ao longo do projeto, os alunos irão buscar referências em diferentes fontes de informação, precisarão de pensamento crítico, habilidade de resolução de problemas, colaboração e várias formas de comunicação – habilidades mais refinadas que a simples memorização.


4 – Definir o produto final
Explique como devem responder à questão que foi levantada, e quais são os objetivos da presente aprendizagem baseada em projetos e os critérios que serão utilizados para avaliá-los. A data final também deve ser informada.

Produzir e apresentar um material que mostre as conclusões do grupo sobre a pergunta norteadora.

Atividades propostas (objetivos):
a) De que nutrientes precisamos para ter um corpo saudável?
b) Quais são os alimentos mais frequentes na sua alimentação e na dos seus familiares? E na dos integrantes do seu grupo? Vocês se alimentam saudavelmente?
c) Como são produzidos esses alimentos? Como chegam até suas casas?
d) Qual é a pegada ambiental para produzir os alimentos que você, seus familiares e os de seu grupo consomem?
e) Que tipo de alimento exige mais energia para ser produzido? E qual exige mais água?

Avaliação: Por parte do professor, haverá uma avaliação progressiva (somativa) e uma final formativa (por rubricas). Haverá também auto-avaliação por parte dos integrantes dos grupos.


5 – Organizar e planejar
Nesta etapa, os alunos devem apresentar um plano de trabalho no qual especifiquem as tarefas a serem desenvolvidas, quem será responsável por cada uma e o calendário que definiram para o projeto. Desta forma, cada um saberá e assumirá sua responsabilidade no projeto.
Ferramentas como Trello ou aplicativos de agenda podem ser úteis para a organização.

Dar oportunidade de voz e escolha: os alunos aprendem a trabalhar independentemente e assumir riscos quando eles são instados a fazer escolhas e mostrar sua voz. Isso faz com que aumente também o engajamento dos estudantes.


6 – Obter informação
Os alunos devem procurar e reunir informação para seu projeto. O professor está apenas como apoio e guia para os alunos, que trabalharão com ampla autonomia neste momento.
Ferramentas de pesquisa na internet como Google, Baidu, Bing, etc, podem ser úteis, assim como Enernote, Onenote e aplicativos de notas também podem ajudar a registrar as informações.


Ter espírito de exploração: faz parte do processo de aprender e criar algo novo com curiosidade e motivação.


7 – Analisar e sintetizar
É hora de apresentar a informação que foi recolhida e contrastá-la com a equipe. Nesta discussão os alunos poderão compartilhar e discutir ideias para começar a estruturar as informações.

Incluir processos de revisão e reflexão: os estudantes aprendem a dar e receber feedback para melhorar a qualidade do produto no qual estão trabalhando.


8 – Produzir
Os alunos começam a moldar e realizar seu trabalho anterior. Neste ponto, torna-se importante a capacidade criativa, que será fundamental para o resultado e a nota final.

Criar a necessidade de saber: o fato de ter que apresentar um produto final serve também para criar a expectativa de aplicar o que se está aprendendo e fazer com que os alunos criem laços com seu trabalho.


9 – Apresentar o projeto
Colocar em prática as habilidades de contar histórias enquanto expõem claramente o que aprenderam e qual é sua resposta para a questão norteadora.
Os alunos podem usar os recursos que quiserem: apresentações prezi ou ppt, vídeos, blogs,imagens, storytelling, HQs, infográficos, e-books, podcast, maquetes, etc.

Apresentar para o público: ao mostrar o produto de esforço para outras pessoas, pessoalmente ou on-line, aumenta a motivação dos alunos a fazerem trabalhos de melhor qualidade.


10 – Responder coletivamente
É hora de fazer um balanço e analisar conjuntamente, todas as equipes e o professor. A ideia é que, após expor e ver os trabalhos dos outros, comuniquem e compartilhem suas ideias para gerar uma resposta consensual para a questão inicial.


11 – Avaliar
A avaliação será dupla: o professor avaliará cada um dos grupos (progressiva e final); e cada uma das equipes fará uma auto-avaliação do seu trabalho, verão em quais aspectos foram bem sucedidas, se houve pontos que poderiam melhorar, etc.
A seguir, um exemplo de rubrica para avaliar o desenvolvimento dos projetos:




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Análise da própria prática docente

Os favoritos da internet em um só lugar!